16/05/2018

o que é um perfume compartilhável?




Não sei se já aconteceu com você de gostar mais de uma versão masculina que de uma versão feminina de um perfume, mas eu posso dizer que isso me aconteceu algumas vezes.


Evidentemente, não sou a única mulher no mundo a se identificar com perfumes masculinos (e vice-versa) - tanto é assim que existe até uma categoria de perfumes que transitam pelos gêneros, os chamados perfumes compartilháveis




Trocando em miúdos, os perfumes compartilháveis nada mais são que fragrâncias do tipo unissex (ou no gender, se preferir, pra usar o termo atual), que foram pensadas para o uso tanto por homens quanto por mulheres.

O primeiro perfume compartilhável que lembro de ter usado é o CK One, da Calvin Klein, que tem uma fragrância refrescante e com várias notas verdes, composição essa que, em minha opinião, é o que faz dela um sucesso pra ser dividido entre meninas e meninos.


Apesar de existir essa categoria compartilhável, eu penso que esse é um assunto que vai muito além de classificações, afinal de contas, acredito que eu não preciso que a marca crie - ou mesmo me informe que - um perfume pode ser usado pelo gênero feminino ou masculino para eu "poder" usá-lo. Sendo bem sincera, eu não ligo pra isso: se gostei mais do masculino, me jogo e pronto! 

Acredito muito que quando escolhemos um perfume, tudo começa a se definir a partir da primeira borrifada, e vai avançando conforme acontece sua evolução. A partir de então, nos identificamos com a fragrância e, assim, sua composição realmente nos toca.

Em meu caso, me identifico bem mais com os perfumes femininos, devo admitir, pois amo os florais e os chipres, mas confesso que, ultimamente, "apresento sinais" de ter uma queda considerável pelas composições docinhas.

Embora minha predileção seja pelos femininos, já tive perfumes masculinos que usei tranquilamente em meu dia a dia. O primeiro foi o Acqua di Giò, da Giorgio Armani, e o mais recente é o Natura Essencial Oud. Mas um perfume que amo de paixão e que quando acabou voltei a comprar, é o deo parfum Life for Him, assinado por Kenzo para Avon [(sim, Avon, xô preconceito, gente!). Pra quem se interessou por ele, tem resenha completa a respeito aqui: http://www.oavessodamoda.com/2016/11/testei-deo-parfum-life-for-her-e-for.html].



Outra coisinha que quero dividir neste momento é uma história bem pessoal. Tive um chefe que era obcecado pelo Angel, de Thierry Mugler. Não sei se você já teve a oportunidade de sentir o cheirinho desse perfume, mas posso dizer que ele é bem forte e adocicado, do tipo que marca presença mesmo. No caso de meu chefe, posso afirmar que a fragrância ficava ainda mais intensa porque ele passava uma quantidade enorme de perfume, que durava o dia inteiro e que, literalmente, impregnava o ambiente... Mas sabe do que mais? Meu chefe nem ligava para o fato de a fragrância ser imponente e ser tão feminina assim. Ele se identificava com ela e pronto! Usava... er, e sim, abusava! hehehe





Antes de fechar, quero muito dizer que se identificar com um perfume não tem nada a ver com a orientação sexual da pessoa, hein? Eu sou hétero e tenho perfumes masculinos que adoro, então, acredito muito, de coração, que o que nos faz amar um perfume é, simplesmente, o fato de ele tocar nossa alma, combinar com nosso jeito de ser e de pensar, do tipo que aguça nosso olfato e que nos deixa inebriada por ele.

Você tem algum perfume assim, compartilhável? Conta aí nos comentários, eu adoro saber!

[©Conteúdo protegido por direitos autorais. Texto produzido pelo O Avesso da Moda; imagens: divulgação das marcas. Todos os direitos reservados.]

2 comentários:

  1. Gessica Carvalho17/5/18

    não sabia que gostar de perfume masculino tinha nome, kkkkkkkk adorei saber e também sou fã do CK One
    Mais posts assim pfv, Mi!

    ResponderExcluir
  2. Fernanda21/5/18

    que massa! tenho um amigo que também é apaixonado nesse Angel.... lembrei dele quando li seu post. bjos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...